Decoração

Decoração
Decoração

Vídeos

Vídeos
Vídeos

Receitas

Receitas
Receitas

O emagrecimento que não aparece na revista

Acho que eu já falei que amo a internet de todas as formas e com todas as entonações possíveis. É que, aqui, pra cada pequena coisa ruim que se vê, surgem muitas coisas boas. O consumo de conteúdo livre , a possibilidade de qualquer um falar sobre suas ideias e o contato com um mundo mais real do que em qualquer outro meio de comunicação fazem que que a internet, essa linda, more no meu coraçãozinho fácil.

Pra vocês não me chamarem de babona, tá aqui um exemplo de ouro.

Essa moça da foto se chama Brooke e emagreceu 77kg. Como muitas outras moças que a gente conhece, Brooke mantém um blog contando o dia a dia dos hábitos de alimentação e exercícios que a ajudaram a chegar a essa conquista. É claro que a história de Brooke inspirou muita gente e, nisso, acabou chamando atenção da Revista Shape (a gringa, claro). Uma repórter da Revista convidou Brooke a contar sua história no Shape.com e, pediu que a moça enviasse uma foto do "depois" dela. Tudo normal. O lance é que Brooke enviou essa foto aqui embaixo e olha o email que ela recebeu de volta.



Tradução livre do Ricota: "Oi, Brooke. Ótimo falar com você aquele dia. Meus editores estão pedindo que você envie outra foto de 'depois' (você está ma-ravilhosa, claro, mas eles querem uma foto de blusa). Obrigada"

Então, Brooke deu a melhor das respostas:


"Foi ótimo falar com você também, estou tão feliz pelo seu convite. Eu gostaria de saber por que seus editores estão pedindo uma foto minha de camiseta. Pelo que sei, a Shape é conhecida por publicar fotos de mulheres do biquíni ou tops esportivos. Esse é o meu corpo depois de uma enorme perda de peso e, ao se recusar a mostrá-lo (ou me forçar a esconder), Shape está dando às mulheres uma falsa ideia sobre a perda de peso.

Também suponho que nenhum outro antes e depois vai ser com biquínis, já que camisetas são preferíveis.

Eu gostaria de oferecer à Shape a chance de explicar a razão por trás disso, estou certa de que meus leitores estão interessados no que vocês têm a dizer. 

Obrigada"

Então, a repórter respondeu:


"Oi, Brooke. É só uma política editorial que especificamente essas histórias sejam mostradas vestidas, simples assim. Confie em mim, nós estamos muito animados em ter você fazendo parte disso, estamos inspirados pela sua perda de peso e você está ótima na foto de biquíni. Meu editores apenas pediu uma nova opção.

Se você preferir falar disso no telefone, me diga. Me desculpe por ofender você com meu pedido, não era pra ser um insulto, apenas um alinhamento das fotos que eles pretendem usar."



"Eu supus que seria incluída nas histórias de sucesso do site, que mostram vários homens e mulheres nada cobertos de roupa. Eu estou fazendo um espalhafato sobre isso porque sinto como se a indústria estivesse nos ensinando a sentir vergonha dos nossos corpos, mesmo quando fazemos coisas surpreendentes. Sinto como se meu corpo não merecesse o mesmo respeito que outros corpos mostrados na seção Histórias de Sucesso.

Por isso, eu tenho que, gentilmente, recusar ser destaque na Shape online. Se vocês não estão dispostos a mostrar meu corpo como ele é, eu não quero fazer parte disso.

Obrigada pelo seu tempo."

*************************

Ou seja, a mulheres totalmente magras e/ou fortes aparecem de biquíni, já aquelas que não estão no corpo "ideal" estão sempre vestidas. Não importa se elas já tenham uma história de superação absurda, que gera identificação com milhares de outras mulheres. Emagrecer 77kg até é motivo de orgulho, mas um orgulho tímido, vestido, que esconda todas as marcas que o processo deixou.

Agora imaginem vocês outra mulher, em casa, iniciando um processo de emagrecimento tão grande quanto o de Brooke. A cada mês, ela perde mais peso e, em consequência, mais pele "sobra", mais estrias se destacam, mais ela tem dificuldade de se reconhecer no próprio corpo. Se ela entra em um site como esse, ou mesmo compra a revista, tende a se sentir ainda mais desconfortável, porque as histórias não são sobre mulheres como ela, enfrentando cada etapa de um processo realmente difícil. É como se você nunca pudesse se enquadrar, mesmo emagrecendo, mesmo sendo considerada uma "história de sucesso", você ainda tem que se esconder.

Ainda bem que a gente tem a história de Brooke pra inspirar, porque várias outras mulheres na mesma situação, devem ter só vestido uma roupa, achando que seu corpo não merecia aparecer mesmo. Quem quiser ler o post completo com o relato de Brooke (em inglês), é só entrar no blog da moça.

12 comentários

  1. Putz, amei seu texto e a sua postura de trazer isso em pauta! Acho que casos como esse, não serão noticiados por blogs/perfis do instagram que abordam o tema o "fitness"! Minha mãe é obesa, e sempre que eu digo a ela que ela precisa emagrecer, pra ter qualidade de vida melhor e evitar futuros problemas de saúde, ela sempre diz: "Pra ficar cheia de pele balançando? Você vê alguém na rua andando assim? Prefiro explodir"
    Que contradição, não? Mas talvez, pela mesma situação que Brooke passou, eu posso compreender a opinião de minha mãe. Parabéns pelo post, Dani!!
    beijão!

    ResponderExcluir
  2. Rhana Rabbi07/05/14 12:32

    Ai, que lindeza de texto! Me emocionei :`)

    Difícil ser como a Brooke, ter coragem de se mostrar como realmente somos.

    Inspirador, inclusive pra mim.

    Obrigada :)

    ResponderExcluir
  3. Eu entendo o lado da moça, assim como entendo o lado da revista. Acho que se ela não se sente a vontade com a política da revista, não deve aceitar mesmo. Vendo pelo lado da revista, que tem a política de mostrar um antes e depois "belo", infelizmente a moça não se enquadra nos "padrões" da revista.

    ResponderExcluir
  4. Concordo com ambas as partes, mas senti muito preconceito em cima dela por parte da revista!

    www.chadecalmila.com

    ResponderExcluir
  5. Adorei seu texto. Parabéns por mostrar a realidade de muitas mulheres. bjs

    ResponderExcluir
  6. Boa! Realmente é um pouco 'chocante' a foto de biquíni... Talvez justamente por a gente nunca ver algo assim na mídia (se é que vemos algo que de fato seja real e sem a intervenção de ps...). Mas realmente deve ser muito mais comum do que a gente vê sendo publicado por aí e é importante pensar no assunto....

    ResponderExcluir
  7. Adorei o post! E é esse exato tipo de coisa que a gente quer ler/ver.

    ResponderExcluir
  8. Wow! A Broke foi impecável! As belas histórias estão nos acontecimentos reais e muitas vezes tentamos esconder aquele "probleminha" o que não deveríamos. As marcas da perda de peso dela não são motivo de vergonha nenhuma.
    Adorei o post!

    ResponderExcluir
  9. Desculpe, mas dessa postagem eu discordo. Quero dizer: percebo toda a manipulação da internet e etc mas se era para não ter manipulação, que começasse com a questão do peso: por que raios todas nós temos que ser magras? rsrs Não, não vamos focar apenas na saúde! Ninguém precisa estar tão magrinho quanto à moça para estar saudável. Aliás, quantos magros conhecemos que estão com as taxas de colesterol e açúcar no topo? Enfim... Sou a favor de que todos os tipos de corpos sejam expostos: os gordos, os magros, os fortes e flácidos. Quanto ao caso da Brooke, veja bem: acho SENSACIONAL o fato de ela ter perdido 77kg mas vamos combinar: ninguém quer ver sobra de pele em revista. Não seria motivador - embora seja realista. Imagine quem realmente quer COMEÇAR um processo de emagrecimento e se depara com a foto: a pessoa acaba se decidindo entre ficar gorda ou "pelancuda". A questão é delicada, sem dúvidas! Entendo seu argumento de que as pessoas que estão em processo de emagrecimento podem não se identificar com os corpos da revista - mas quem consegue essa façanha?? Nem as modelos plus-size parecem reais! Na atual conjuntura sabemos que pele sobrando daquele jeito não é bonito; nem gente gorda demais, nem magra demais. Mulheres magras com celulite também não são belas e nem gordinhas sem cintura. Afff... É uma lavagem cerebral... Acho que a revista poderia trablhar a questão do excesso de pele, inclusive como forma de alertar os leitores sobre o que vão encarar. Porém pergunto-me se a própria Brooke está realmente feliz com aquela pele sobrando e não pensa em fazer nada para corrigir. É uma pergunta genuína, nem conheço o blog da moça! ;) Alguém que emagrece quase 80kg me parece estar em busca de seu melhor fisicamente, está vaidosa... E daí vem toda essa questão... Claro que entendo que de repente ela tentou confrontar a revista, sinalizar a manipulação e é isso é o máximo. Mas daí a comprar a ideia de que ela está muito bem, obrigada, com a pele sobrando... tenho cá minhas dúvidas! Vc conhece o blog da Brooke? Como ela se posiciona quanto à flacidez mostrada? Beijos (e obrigada pela reflexão)

    ResponderExcluir
  10. Eu li muitas postagens do blog da Brooke ontem. Ela decidiu emagrecer principalmente por questões de saúde, mas com o tempo diz que foi ficando cada vez mais vaidosa, por caber em roupas que antes não caberia e fazer atividades que antes não conseguia devido ao excesso de peso.
    Quanto ao excesso de pele, ela pretende fazer cirurgias, porém tem planos de engravidar antes (faz sentido, né? a pele da barriga irá esticar novamente, melhor resolver tudo depois).
    Eu acho que ela está sim muito bem, diante dos sucessos que alcançou na dieta, dos obstáculos que superou, e, pelos selfies que tira no Instagram, está se sentindo sim mais bonita, mesmo com pele sobrando. Isso é o que eu acho mais legal, ela está tentando mostrar que a gente pode e deve ser feliz, mesmo sem o corpo perfeito. Afinal, mesmo após as cirurgias, o excesso de pele sumirá e ficarão as cicatrizes. Na vida real ela nunca será uma "boneca", uma modelo de revista masculina. Se ela não se aceitar e se admirar agora, ela também terá dificuldades de enfrentar as cicatrizes. Ou pode aceitar as cicatrizes e começar a implicar com outras partes do corpo, com o cabelo... Milhares de mulheres consideradas lindíssimas e "perfeitas" estão por aí sofrendo com problemas de auto-estima sem nenhuma pele sobrando, isso não é parâmetro para a felicidade de ninguém.
    Ainda é um sonho achar que uma revista de boa forma publicaria as fotos dela sem retoques, isso não vende e o mundo é comandado por dinheiro, infelizmente, em vez de valores mais importantes.

    ResponderExcluir
  11. Olha, Dani... eu já escrevi mil rascunhos de textos para postar no meu próprio blog sobre o assunto e de repente, quando a ideia tá bem aqui na cabeça ainda, você posta um negócio desses :) Adoro, parece que é o mundo querendo se comunicar comigo de maneiras inesperadas.

    Pois então, enfrento uma realidade bem parecida com a dela e ouso, delicadamente, discordar da opinião da Mariana Barbieri mais acima. Falo isto porque sei, sem sombra de dúvidas, que excesso de pele não é nada bonito de se ver mas é NECESSÁRIO que ele seja visto sim e faria bem para todos que os meios de comunicação mostrassem esta realidade também, nem que seja de vez em quando. Afirmo com conhecimento de causa, entendam, enfrento o mesmo "problema" que ela (em menor escala pois perdi menos peso - 45 kg) e vou até copiar uns trechinhos do que andei rascunhando pro meu próprio cantinho...

    Na Clínica que frequentei para o processo de emagrecimento que adotei (o da dieta Ravenna) todos começam muito animados, pois logo perdem os primeiros kgs. É lindo de ver os ponteiros da balança mudando e com o tempo seu corpo também vai: o rosto desincha, as roupas folgam um pouco e as pessoas começam a notar...
    Os que continuam na dieta, entretando, para perder quantidade significativa de peso, começam a ver a história mudar. Claro que sei que tudo depende do método escolhido e da velocidade com que se perde peso, mas na forma um tanto quanto rápida através da qual EU emagreci (e acho que foi o caso da Brooke também) o corpo começa a mudar de forma ambivalente. Como assim? Apesar do manequim que diminui e as roupas legais que passam a servir, os restinhos de obesidade perduram... rugas, estrias, celulites e muito, muito, muito excesso de pele. Provavelmente muito mais do que a pessoa pensou que teria. Você enfrenta a situação de se olhar no espelho e ficar em dúvida se deve se sentir feliz (e é óbvio que é pra ficar feliz) com seu corpo novo ou se permite que as "imperfeições" te joguem pra baixo. É um drama diário.

    ResponderExcluir
  12. E sabe qual é a questão aqui? É que o mundo te prepara, ilusoriamente, pra ideia de que você vai sair da gordura extrema pra ter um corpo (pelo menos) sequinho. É isso mesmo. Podem dizer até que quem acredita nesta ideia é inocente demais, mas pra quem emagrece a esperança tá lá, de que, no meio do processo, fazendo tudo direitinho, as coisas se ajeitem. Perdi a conta do desapontamento de muita gente que presenciei, que não soube lidar com o fato de que saiu de um "corpo super indesejado" para um corpo que ainda é bem diferente daquilo que almeja. E como nós, humanos, em nossa grande maioria, ainda não sabemos muito bem como valorar o lado positivo das coisas de forma mais intensa do que o negativo (tudo que nos acontece de bom achamos pouco e que poderia ser melhor), nos deixamos desistimular fácil, fácil. Vi gente voltar a se entregar aos excessos pelo fato de não aceitar "ter feito tanto esforço para um resultado tão insatisfatório". É real. Daí que entra: somos imediatistas e não estamos preparados. A mídia colabora com nosso despreparo ao mostrar um antes&depois de uma ex super obesa com (TCHARAM!) corpo de Gabriela Pugliesi, porque É CLARO, que é o que uma maioria esmagadora busca hoje em dia... mas simplesmente não é totalmente verdadeiro. Sabe pq? Porque o "tcharam" não existe; porque antes de ter o corpitcho fit com que muitas sonham rolou foi muita pele mesmo, que nem na foto da Brooke. Minha crítica é feita mesmo a este lado ilusório-imediatista que é alimentado... nenhum processo grande desses, gente, é feito em estilo água-pra-vinho e é muito ruim que tanta gente inicie sua busca por mudança pautada numa ideia completamente distorcida das coisas. Eu sei porque EU mesma esperava outra resposta do meu corpo e só bem depois entendi que o processo de emagrecimento, desde o começo, só estava me permitindo atingir outros inícios de processos. Entendem? Processos de busca por uma vida mais saudável, por controle emocional, por autoamor, por força de vontade.. e também a busca pelo corpo que eu quero realmente ter no fim das contas.

    Mas é claro, cada um no seu cada um - sei que as revistas querem isso aí, o foco é no lucro e o que se vende mesmo é o sonho da "perfeição". E sei que nós, muitas vezes tolinhos, vamos comprar as tais da publicações mesmo assim, mesmo sabendo que a realidade é outra... porque sonhar nunca é demais. Mas pra mim o importante é sonhar com os pés no chão e acho que foi mais ou menos esta a mensagem que a Brooke passou com suas respostas :)

    Beijos, Dani! Obrigada por divulgar a história dela, não conhecia.

    ResponderExcluir